Ferrador: um ofício tradicional à beira da extinção

Antes do desenvolvimento e massificação do automóvel, o boi, o cavalo, o burro, o macho ou a mula, com ou sem carroça atrelada, eram os animais mais utilizados para o transporte, a tração e a carga.Cada aldeia possuía o seu ferrador, porque o gado cavalar e muar, até meados do século XX, era do mais vantajoso e generalizado em todas as regiões de Portugal.

A profissão de ferrador estava muitas vezes associada à de ferreiro, que na sua oficina forjava as ferraduras adaptadas às características de cada animal.

Actualmente o ferrador já não fabrica as ferraduras, adquirindo-as já feitas, mas continua a adaptá-las à anatomia de cada animal, batendo-as na bigorna.

A ferragem de um animal inicia-se com a retirada da antiga ferradura, posteriormente limpa-se e apara-se os cascos, com o “corta cascos”. A nova ferradura é então colocada e presa com cravos, um processo designado como de “atarracar a ferradura”.

Por último, rebate-se e corta-se as pontas dos cravos que prendem a ferradura à pata do animal. A derradeira operação consiste em “grosar” os cascos com a ferradura já presa, para que haja uma boa adaptação ao casco do animal.

Uma boa colocação da ferradura significa uma maior protecção dos cascos e tal facto repercute-se numa maior longevidade do animal.

Para mais dados sobre este ofício tradicional visite o Museu da Memória Rural de Vilarinho da Castanheira, concelho de Carrazeda de Ansiães.

Comente com o seu facebook

Leave a Reply

Amigos do Museu

Junte-se à comunidade de amigos do Museu da Memória Rural!
INSCREVA-SE!

Projetos de memória