Depoimento: Maria Helena Geraldes explica a festa do Charolo e de São Gonçalo de antigamente

Maria Helena Geraldes, mulher já idosa e uma profunda conhecedora da tradição, conta-nos que “quando era nova” o “charolo” era feito só por jovens solteiros, quatro rapazes e quatro raparigas, mas a onda de emigração que se fez sentir sobre região “levou-nos a mocidade toda e tivemos que nos adaptar”. Naquele tempo, recorda a Srª Maria, “o charolo era a mocidade solteira que o fazia, porque são os rapazes solteiros que levam o charolo. Fazíamos também muito boneco em pão e a rosca tal e qual como é agora. E fazíamos umas placas com as nossas letras iniciais do nome. Aquelas que tinham namorado, os namorados queriam comprar essas placas, os outros rapazes que o sabiam puxavam, porque isto é leiloado, um mandava e outro mandava, que era para fazer pagar muito ao namorado pelo nome da namorada”.
Este vídeo integra a componente visual do artigo “O Charolo de São Gonçalo de Outeiro e o Culto do Pão no Nordeste Transmontano“, da autoria de António Luis Pereira. Revista memória Rural, nº 4, 2021, pp 00-00.