Tecer: Depoimento de Fátima Gomes, Lamas de Orelhão, Mirandela

D. Fátima Gomes, natural de Lamas de Orelhão, concelho de Mirandela, fala-nos da atividade que desempenhou durante toda a sua vida: a tecelagem. Neste depoimento a D. Fátima expõe as memória pessoais do do processo de fabrico de mantas de lã em Lamas de Orelhão.
Continuar a ler
Esta entrevista insere-se como elemento documental no artigo intitulado “A tecelagem artesanal no concelho de Carrazeda de Ansiães. O processo de manufatura e as memórias relacionadas com a produção das tradicionais mantas de lã de ovelha“, publicado na Revista Memória Rural, nº 2, pp.8-27, da autoria de Isabel Alexandra Lopes.
Continuar a ler
Depois de construído, secar os figos num destes fornos era uma operação de grande simplicidade como nos explicou a D. Maria dos Anjos Morais, de 98 anos de idade, nascida, criada e desde sempre moradora em São Mamede de Ribatua, aldeia que se pendura sobre a margem direita do rio Tua, junto à sua foz.
Continuar a ler
O vídeo foi produzido para o Museu da Memória Rural de Carrazeda de Ansiães, fazendo parte do discurso museográfico que integra a “Sala da Lã” daquela estrutura cultural.
Continuar a ler
O barro era arrancado na profundidade dos terrenos argilosos que se desenvolvem à volta das localidades de Marzagão e Luzelos e conduzido em carros de bois para as telheiras onde era depositado nos pios.Depois eram os pés e as mãos numa tarefa árdua a construir o ganha pão.
Continuar a ler
Depoimentos de um antigo moleiro que trabalhou na Ribeira do Couto, Vilarinho da Castanheira, Carrazeda de Ansiães.
Continuar a ler
O Núcleo Museológico do Lagar do Azeite de Lavandeira, concelho de Carrazeda de Ansiães, elucida-o(a) sobre estas e muitas outras questões relacionadas com a cultura da oliveira e as formas tradicionais utilizadas ao longo dos séculos para produzir o azeite.
Continuar a ler
A pesca tradicional no rio Douro sempre foi um complemento económico para algumas famílias que habitavam a zona ribeirinha. O barco em madeira era o instrumento fundamental do pescador, sendo usado para a pesca e também...
Continuar a ler
Cada aldeia possuía o seu ferrador, porque o gado cavalar, até meados do século XX, era do mais vantajoso e generalizado em todas as regiões de Portugal. A profissão de ferrador estava muitas vezes associada à de ferreiro, que na sua oficina forjava as ferraduras adaptadas às características de cada animal.
Continuar a ler
A farinha que já se encontra na masseira é misturada com água morna à qual foi adicionado o fermento. Este era obtido através da massa já levedada da fornada anterior. tarefa de amassar dura no mínimo 20 minutos terminando...
Continuar a ler
1 2

Amigos do Museu

Junte-se à comunidade de amigos do Museu da Memória Rural!
INSCREVA-SE!

Projetos de memória